O significado dos anéis


Em cada dedo, um tipo de anel e um significado. Desvende cada um deles

Volta e meia a atriz Danielle Winits é vista por aí com um solitário na mão. O anel é tradicionalmente dado como presente de noivado e usado no anular da mão direita. A atriz, no entanto, subverte a tradição e, além de usar a joia independente de estar ou não num relacionamento, também costuma colocá-la em dedos diferentes, ao sabor do momento. Pode fazer isso?

Hoje em dia, pode tudo. “Não tem mais regras rígidas de como usar anéis. A regra é não ter regras. A moda deu liberdade para as pessoas usarem as joias como elas quiserem. Até anel solitário pendurado no pescoço eu já vi”, diz Christian Hallot, embaixador da H. Stern, no Brasil.

No entanto, ainda que usados casualmente, apenas como adereços, os anéis carregam histórias e significados.

Por ter formato de elo, o anel é tradicionalmente um símbolo de união. “No cristianismo, o anel simboliza a união fiel, livremente aceita”, atesta o Dicionário de Símbolos, de Jean Chevalier e Alain Gheebrant. Além de união, anéis também são símbolos de compromisso. Quem usa demonstra sua ligação profunda e, a rigor, indestrutível, com uma pessoa ou valor. Esse é o caso das alianças de compromisso e de casamento ou dos anéis com significado religioso.

Veja os tipos de anéis mais tradicionais, o que eles significam e como são utilizados hoje:

Solitário

1h0nc9adtes75vccz46qmbk4i O significado dos anéis É um dos poucos anéis cuja origem é específica e datada. O primeiro solitário foi um presente do Arquiduque Maxiliano, da Aústria, para Mary Burgundy, em 1477. Tradicionalmente, um solitário é um anel de ouro ou platina com um brilhante (um brilhante é um diamante único com lapidação redonda). Era sempre usado no anular da mão esquerda, porque acreditava-se que era por ali que passava a “vena moris”, uma veia que ia dali direto para coração.

E por que um diamante? “Que outra pedra simbolizaria melhor o desejo de que aquele relacionamento seja ‘para sempre’ senão o diamente, que não é perecível e é extraordinariamente resistente”, diz Maria Tereza Géo Rodrigues, da joalheria Talento Joias.

Para ela, os diamantes são mesmo eternos. “Alguns gregos acreditavam que eles eram estilhaços de estrelas que chegaram à Terra, outros apostavam que eram lágrimas dos deuses do Olimpo”, conta.

A tradição do solitário virou ‘febre’ no século 19, nos Estados Unidos, conforme explica Christian Hullot. “A descoberta de minas de diamante na África do Sul, tornou a joia mais acessível e ajudou a criar um mercado de compra de brilhantes. Funcionou perfeitamente porque nesse país existe o hábito cultural de pedir à noiva em casamento”, diz o embaixador da H. Stern.

O solitário até hoje é um presente de noivado, que simboliza comprometimento. Ele é a jóia que está dentro das caixinhas forradas de veludo que aparecem nas cenas românticas de pedido de casamento dos filmes que costumamos assistir. Mas pode e deve continuar sendo usado pela mulher depois de casada, junto com a aliança.

Alianças

As alianças também são a expressão concreta do compromisso assumido por um casal. Geralmente em platina ou ouro branco, durante o noivado são usadas na mão direita, e, a partir do casamento, passam a ser usadas no anelar da mão esquerda.

“O anel de noivado ainda é bastante requisitado, mas o uso das alianças na mão direita é cada vez mais presente e percebe-se a tendência de personalizá-las com detalhes do gosto comum do casal.”, avalia Tereza.

Anel de formatura

O formato tradicional está em desuso: já quase não se vê nos dedos de doutores o anel quadrado, com a pedra e a estampa de cada profissão. “É uma tradição do início do século 20”, explica Christian.

A partir da metade do século 19, a burguesia passou a freqüentar as então recentes universidades modernas e os anéis começaram a ser utilizados como uma forma de distinguir quem tinha acesso ao estudo. “Era uma forma de reconhecimento imediato: anel de pedra vermelha é de advogado; o azul, de engenheiro; verde, de médico. O costume era útil para identificar a profissão da pessoa sem ter que perguntar, o que seria considerado indelicado na época”, explica o embaixador da H. Stern.

Com o acesso mais amplo ao ensino superior, de 1950 para cá, a joia começou a cair em desuso. “Onde o estudo não é totalmente acessível, no entanto, a tradição ainda existe e o anel é símbolo de distinção”, afirma Christian.

Nos últimos 30 anos, a tendência é que os anéis de formatura sejam substituídos por outras peças de valor, como um bom relógio, de marca tradicional. Ou por anéis mais delicados, com uma gravação que remeta à formatura ou à pedra tradicional da profissão, mas sem desenhos formais e brasões, para que a joia fique mais moderna e menos ‘datada’.

Maria Tereza conta que no auge de sua popularidade, o anel de formatura funcionava até mesmo para identificar e diferenciar determinados grupos de alunos ou determinadas escolas. Os alunos de West Point, academia militar tradicional dos Estados Unidos, por exemplo, criaram seu próprio anel de identificação, em 1835. “Os formandos queriam marcar não só a passagem deles pela escola, mas também identificar de qual turma faziam parte, como uma demonstração de amizade e de superação de obstáculos em comum”, diz a designer de joias.

Anel de debutante

Segundo Maria Tereza, a jóia mais tradicional para a data é o anel de diamante, dado pelo pai ou padrinho, que deve colocá-lo no dedo médio da mão direita da jovem. Outra opção clássica é o “chuveirinho”, anel com 15 pequenas pedras preciosas, uma para cada ano da vida da menina. Há alguns anos, a jóia dos 15 anos era a primeira que uma garota ganhava. Hoje, tanto um quanto outro estão em desuso. “As meninas estão comprando as próprias joias, muito antes dos 15 anos”, diz Christian.

Ele explica que o anel de 15 anos passava de mãe para filha, como jóia de família. “Mas hoje as mães de 30 a 45 anos não são mais consideradas velhas. Elas querem compartilhar as mesmas jóias das filhas”, acredita. Não há mais jóia específica para a data, associada a meninas. Os substitutos mais comuns são brincos e pendentes.

Anel de sinete

Uma tradição antiga que parece ganhar cada vez mais fôlego são os anéis de sinete, usados no dedo mindinho. “Os anéis de dedinho vieram do século 13, 14. Têm as armas da família gravadas em baixo relevo, na pedra ou no metal”, diz Christian. Antigamente, os anéis de sinete eram jóias utilitárias, que serviam para marcar a assinatura da família, sobre cera quente, em documentos.

“Esse anel se tornou uma marca de reconhecimento das famílias nobres, aristocráticas. Ainda se usa na Europa, porque há muitos descendentes de famílias reais e entre pessoas que têm culto à heráldica da sua família”, diz o embaixador da H. Stern. “Entre descendentes de europeus, todo mundo acaba num conde, num duque, num príncipe. Quem usa o anel de mindinho geralmente tem descendência próxima de famílias nobres”. Como o Brasil teve uma monarquia por um longo período, também aqui a procura por esse tipo de anel, que tem um significado pessoal e familiar muito forte, é bastante grande.

Mesmo sem brasão e sem ascendência nobre, os anéis de mindinho são considerados jóias com algum vínculo familiar.

autora: Verônica Mambrini
fonte: IG Delas





     Deixe seu comentário

Todos comentários são moderados, leia mais aqui. Se você quiser uma foto ao lado de seu comentário vá até o site gravatar e faça sua conta lá! Caso tenha dificuldades leia o tutorial: Como criar meu gravatar?.